Serraria São Francisco - Solonópole/CE

Contato

(88) 3518-1150

(88) 9911-4702

(88) 9716-3443

De Seg. à Sex. das 7:00 hs às 17:00 hs - Sáb. das 7:00 hs às 11:00 hs.

E-mail: [email protected]

Bom dia! faça o seu login ou clique aqui para se cadastrar

Vazio

NOTÍCIAS

Apicultores apontam agrotóxicos como culpados por mortes de abelhas

09 de agosto de 2013

Imprimir

 Como utilizar agrotóxicos em determinadas culturas sem provocar a morte de abelhas responsáveis pela polinização de plantas utilizadas na alimentação? O problema vem sendo estudado no Brasil há pelo menos quatro anos e foi discutido nesta quinta-feira (4) em audiência pública promovida pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a pedido do deputado Antônio Roberto (PV-MG).

Representantes dos apicultores e do Ministério do Meio Ambiente relataram casos de mortalidade e apontaram como maior culpado o uso de agrotóxicos neonicotinoides. Há suspeitas de que a substância cause a morte de abelhas ou provoque lesões como a perda de orientação no espaço ou de olfato.

“Abelhas saem e não voltam para as colmeias porque perdem a orientação. Ou não encontram as flores a serem polinizadas porque não têm olfato”, explicou o presidente da Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), José Cunha, representante de 350 mil apicultores. Segundo ele, não se conhece um número exato de mortes no Brasil, mas o fenômeno é mundial.

Proibição- No ano passado, o Brasil, de forma semelhante a países da Europa, proibiu a pulverização aérea de agrotóxicos neonicotinoides que contenham os ingredientes ativos Imidacloprido, Tiametoxam, Clotianidina ou Fipronil. Por outro lado, na Câmara tramita um projeto de decreto legislativo (PDC 809/12) que prevê a suspensão da medida, prevista em decisão do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O PDC está pronto para análise da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e recebeu parecer pela aprovação do deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP). O deputado Antônio Roberto, no entanto, adiantou que, quando a proposta chegar à Comissão de Meio Ambiente, trabalhará por sua rejeição.

O argumento de Duarte Nogueira é de que o Ibama extrapolou suas atribuições legislativas e que a medida pode causar prejuízos ao País. O coordenador-geral de Avaliação e Controle de Substâncias Químicas do Ibama, Márcio Freitas, porém, rebateu dizendo que cabe ao Ibama regular agrotóxicos. Ele disse ainda que, em resposta às demandas dos produtores, o Ibama flexibilizou a regra, permitindo a pulverização dos agrotóxicos nas culturas de soja, cana, trigo e arroz fora da floração.

“Não temos nada contra a aplicação aérea, mas dizer que ela é segura é complicado. A gente sabe que não há controle sobre toda a aplicação aérea no País”, disse Márcio Freitas. Na avaliação do coordenador, faltam regulações claras, o que teria levado, em maio deste ano, em Rio Verde (GO), um avião a pulverizar em cima de uma escola, intoxicando 42 

OUTRAS NOTÍCIAS

Serraria São Francisco

CNPJ: 72.164.197/0001-05

Copyright © 2004-2018 | Todos os Direitos Reservados

Travessa Manoel Candido da Silva, 250 - Centro - Solonópole/CE

Televendas: (88) 3518-1150 / (88) 9911-4702 / (88) 3518-1150

ATENDIMENTO

E-mail: [email protected]

De Seg. à Sex. das 7:00 hs às 17:00 hs - Sáb. das 7:00 hs às 11:00 hs.

FORMAS DE PAGAMENTO